Brasileiro fica entre finalistas no prêmio de 'melhor professor do mundo'

Fonte: UOL Educação

Foto: Divulgação/Global Teacher Prize

O brasileiro Wemerson da Silva Nogueira, 26, de Nova Venécia, no Espírito Santo, ficou entre os dez finalistas na edição 2017 do Global Teacher Prize, considerado o maior prêmio que um professor pode ganhar no mundo.

Quem levou a premiação de US$ 1 milhão (R$ 3,1 milhões), porém, foi a professora Maggie MacDonnell, do Canadá, que dá aulas em comunidades indígenas de locais remotos e de difícil acesso no país.

Professor de ciências na Escola Estadual Antônio dos Santos Neves, em Boa Esperança (ES), Nogueira foi indicado ao prêmio por desenvolver com seus alunos o projeto "Filtrando as Lágrimas do Rio Doce".

Nele, estudantes aprenderam a criar filtros com materiais recicláveis, areia e pedras para limpar as águas sujas do rio Doce, que foi contaminado com rejeitos de mineração após o rompimento de uma barragem da Samarco em Mariana (MG), que causou um desastre ambiental.

Os filtros feitos pelos alunos foram distribuídos para a população ribeirinha. A água resultante da filtragem não é própria para consumo humano, mas pode ser usada para atividades domésticas de limpeza, por exemplo. O Global Teacher Prize é concedido anualmente a um professor que tenha feito uma "contribuição excepcional para a profissão".

No ano passado, Nogueira recebeu diversos prêmios nacionais pelo projeto.

Os 10 educadores finalistas da premiação. Wemerson está à direita. Foto: Divulgação Facebook/Global Teaher Prize

Leia mais: 
O trabalho que levou Wemerson a ser indicado ao prêmio de melhor professor do mundo

Conheça o trabalho da professora canadense vencedora do prêmio, que trabalha em uma das regiões mais remotas do mundo 

Além de Wemerson, amazonense Valter Menezes chegou entre os 50 finalistas, depois, aos 40

 

  • mar 27 2017